Você já se perguntou qual o significado de meme? Os virais da internet já são chamados assim há algum tempo, mas, se você parar para pensar, o “apelido” não parece fazer muito sentido. Chegou a hora de desvendar esse mistério e descobrir de onde surgiu essa onda.

Meme: o que significa?

Este termo foi cunhado pela primeira vez no livro “O Gene Egoísta”, escrito pelo teórico evolutivo Richard Dawkins, em 1976. Ele afirmava que o meme representava uma nova forma de gene surgida no cérebro e, diferentemente dos demais, poderia se propagar por conta de réplicas para sobreviver. Ele poderia se manter, morrer ou se transmutar.

As ideias com maior impacto ou mais originais teriam mais possibilidades de perdurar no tempo – alguns exemplos: a associação de que Cristóvão Colombo teria descoberto a América, ou que Jesus Cristo seria um homem barbudo. Esses conceitos tiveram feedback positivo com o passar dos anos e se expandiram, atingindo a condição de ‘viral’ até perdurar no tempo, consolidando a percepção da humanidade a respeito de determinado aspecto da cultura popular.

Ao se referir a este conceito, Dawkins, num primeiro momento, o classificou como mimeme, baseando-se no termo grego que queria dizer ‘aquilo que é replicado’. Pouco tempo depois, o escritor decidiu abreviá-la como ‘meme’, tal qual conhecemos hoje.

O termo que melhor representa a difusão cultural como pilar básico da humanidade começou a se expandir nos circuitos sociológicos até encontrar, anos depois, nas redes sociais, o nicho perfeito para se ‘alastrar’.

Internet: o lugar dos memes

O meme que conhecemos nos dias de hoje tem como principal campo a internet. Ele se resume como um pensamento breve, com objetivo de transmitir uma informação concisa de forma rápida, seja por meio de mensagens, pelas redes sociais, ou pelos e-mails (lembra das famosas correntes?).

O meme pode ser adaptado em formato de vídeo, imagem, frase ou até mesmo pelas hashtags, como modo de promover a essência de uma ideia da forma mais rápida que possamos imaginar.

Sua presença na rede se deu nos primórdios da internet. Do susto de um vídeo que mostra um carro aparentemente numa estrada à dança estrepitosa do “Harlem Shake”, de 2013, estes memes se tornaram fenômenos pela rápida propagação.

Nos dias de hoje os memes são muito utilizados como paródias de algum acontecimento importante, ou para zoar com o amigo, comunicar uma informação privilegiada e, especialmente, impulsionar campanhas de marketing, algo que muitas empresas têm se especializado com proficiência. Sua durabilidade e importância dependem das réplicas, assimilações e propagação em massa.

(Fonte: Vix)