Dia de festa, alegria e a famosa mistura de ovo e trigo para comemorar os mais novos calouros do Pará. Nesta sexta-feira (25), a Universidade do Estado do Pará (Uepa) divulgou o listão dos aprovados em seu processo seletivo 2019. Os alunos do Sistema de Ensino Equipe comemoraram mais um expressivo número de aprovações.

Somente no curso de Medicina – sempre um dos mais disputados – foram 54 alunos aprovados (44 alunos do Equipe e 10 de escolas parceiras). O Equipe também garantiu o 2º lugar geral, com Arthur Luiz Forte e, o 3º lugar geral, com Matheus Antônio Rosa, ambos no curso de Medicina.

“É incrível, realmente muito boa a sensação. Eu estava com toda a minha família lá em casa e a gente escutou na rádio. Foi uma surpresa muito grande, muito gratificante depois de todo esse ano de esforço”, contou Arthur. Ele também falou sobre a preparação para as provas e a necessidade de buscar uma alternativa de diversão para aliviar a tensão. “Estudava de segunda a segunda, fazia curso três vezes por semana e basquete duas vezes por semana. Esse equilíbrio foi muito importante para o resultado”.

Matheus Rosa, que conquistou o 3º lugar geral, viveu pela segunda vez a alegria de uma aprovação. “Essa vai ser minha segunda graduação, já fiz Biomedicina. A Medicina era um sonho que eu venho lutando pra conquistar há muito tempo”, disse. A emoção de alcançar a aprovação era grande. “É um alívio, a ficha parece que ainda não caiu direito. É uma realização, só felicidade”.

Ver a recompensa por tanta dedicação também emocionou os pais dos alunos aprovados. Elayne Wanzeler, mãe de Débora, caloura de Relações Internacionais, falou sobre o momento especial. “Foram anos de dedicação aos estudos, mas a recompensa veio com tudo porque ela já tinha passado na Fibra, Faci, Cesupa e agora na Uepa. Eu estou muito feliz, não sei nem explicar a emoção”.

A caloura Joice Queiroz, aprovada em Medicina, relembrou os desafios que enfrentou para conseguir a vaga. “É um ano que testa o seu psicológico, a sua força de vontade, a autoconfiança. O ano no Equipe foi incrível porque, mesmo sendo difícil, a coordenação sempre estava lá, os professores. Quando chorei sempre tinha alguém para me abraçar e falar que tudo ia dar certo. O importante é não desistir”.

Para Iago Teixeira, todo o esforço foi válido em busca da sonhada vaga no curso de Medicina. “Desde os meus 12 anos sonho com isso. Foi uma preparação intensa, estudava todos os dias e tive que abrir mão de algumas coisas para me dedicar, mas valeu muito a pena. A gente fica muito nervoso, mas quando ouve o nome no listão vem a euforia, a gente chora, grita. É demais”.